terça-feira, setembro 25, 2007

 

Odisseia

É a Maddie, ou melhor, o trágico mistério que a envolve, com a opinião pública a baloiçar ao sabor das ondas; ora agitadas por sentimentos contraditórios, mais ou menos espontâneos, ora impelidas no sentido que determinam as milionárias campanhas que à sua volta são desencadeadas.
...É o Scolari, e logo o Mourinho, confirmando – como se fosse necessário – que ainda para muita gente naquele ramo de negócio é “a paixão” o que comanda, sobretudo quando “a razão” depende da carteira que a sustenta, qualquer que seja a origem do seu conteúdo.
...É o novo Código do Processo Penal, que – dizem vozes de credibilidade insuspeita –, tendo passado “ao de leve” pelo crivo legislativo entrou em vigor “à afogalaça”, e ao desagravar penas, e acrescer garantias, em casos de crimes odiosos cujos suspeitos são “gente fina” (Casa Pia por exemplo), presta-se a ressuscitar fantasmas.
...É a faceta “caritativa” do Eng. Sócrates, que, no intervalo das suas funções de “soberano europeu”, e após nos espremer até ao tutano, oferece computadores, telemóveis e o mais que os seus assessores entenderem “estar a dar”, iniciando assim a fase do “amaciar pêlo”.
...É a “Guerra dos Luíses” por uma “pole position” na corrida do poder, facilitando com isso – estou em crer – o adiamento da era pós socrática, uma querela onde nem tem faltado a exibição pública dos “podres” de ambos, como da sua casa comum (nem o PSD/Açores escapou).

Farto de tanto e tão pouco – e do zapping –, abro o livro que tenho à mão (edição barata da Europa América), e ao acaso, mas todo o propósito, os olhos prendem-se no início do diálogo de Telémaco, filho de Ulisses, com a deusa Atena, visando os pretendentes que em farto festim aguardavam a demorada decisão de Penélope:
“ -Vês o que agrada a esta gente: a cítara e o canto. Ah, não lhes custa, pois comem impunemente os haveres de outrem (…)”
Do próprio, in A. O. 25/09/07; “Cá à minha moda”



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?