sexta-feira, setembro 30, 2005

 

A nossa inauguração

Sem ter de recorrer ao erário público para fazer acções de campanha. Dispensando o foguetório e a ANIMAção necessária para dar maior dimensão do que aquela que efectivamente tem aquilo que por obrigação foi feito; SANTA CLARA VIDA NOVA também inaugurou!

Foi assim até às 17.30h de 30 de Setembro de 2005.


Agora, com SANTA CLARA VIDA NOVA, já está diferente.
(Click sobre a imagem para a ampliar)
Pois é. Esta foi mais uma daquelas que passou despercebida aqueles que, mesmo afirmando "não terem acordado hoje", mais parecem estar sempre distraídos.
E já se adivinha a próxima iniciativa que quem já nos habituou com a sua presença pois limitam-se a seguir-nos à distância. "Venha ela"; quem pensa pela sua cabeça até se diverte com as re_acções dos "crónicos fellows"!

terça-feira, setembro 27, 2005

 

Satisfação


(Click para ampliar e permitir leitura)

Dois dos 16 pontos do programa eleitoral de SANTA CLARA VIDA NOVA, um muito polémico (sistematicamente ignorado) e outro que - como se vê no comunicado que apressadamente foi entretanto distribuido - finalmente, embora da forma como aqui se pode ver, acabou chamando a atenção dos que se dizem desde há muito sempre atentos e preocupados com os problemas de Santa Clara.



(Click para ampliar)

Não podia haver melhor resposta para os que há determinação e fron6talidade chamam; insensatez! Até parece que tudo se tornou fácil.

Porém, não nos resignamos com 0 2013!

................


Desde que me conheço – vai para meio século –, que me habituei a ouvir os moradores de Santa Clara, meus conterrâneos, tratarem a paróquia que nos deu berço como se uma freguesia fosse. A nossa freguesia…” é, desde há muito, um termo comummente usado entre santaclarenses. Aliás, o sentimento “bairrista” dos santaclarenses é por demais conhecido, a ele devendo-se um conjunto de iniciativas sem igual, sobretudo tendo em conta a pequenez do local e a humilde origem das suas gentes!
Talvez daí o visível e espontâneo apoio a um projecto que veio, inequivocamente, ao encontro de uma velha aspiração do povo de Santa Clara. A demonstração, inequívoca, de que “atramoçar” o processo de criação da freguesia com “referendos”, não sendo má fé – o universo a referendar seria só Santa Clara, ou toda a freguesia de São José? –, só poderia então ser demonstração de enorme desconhecimento sobre um dos mais profundos anseios da sua população!
Em Santa Clara já se respira um outro ar.
Nunca, como agora, tantos holofotes apontaram para Santa Clara. Nunca como agora Santa Clara teve tanta – e tão boa – gente comprometida com o seu desenvolvimento e com o bem-estar das suas gentes. Nunca, como agora, foi possível quantificar o quanto Santa Clara perdeu por não ser, desde há muito, uma freguesia!
Digam o que quiserem; mas em SANTA CLARA já se vive VIDA NOVA!
Do próprio. In Açoriano Oriental/Crónicas do Aquém

sábado, setembro 24, 2005

 

Jornal de Campanha nº1

Depois de uma completa distribuição na Freguesia, quando já se ultima o nº2, aqui fica o segundo número do Jornal de Campanha SANTA CLARA VIDA NOVA.




Jornal de Campanha. Nº Um
Páginas; 1 e 4



Jornal de Campanha. Nº Um
Páginas; 2 e 3

(clickando sobre cada uma das páginas, amplia, permintindo a leitura)

terça-feira, setembro 20, 2005

 

Que honra





Embora o empenhamento da Presidente da CMPD – principal mais valia eleitoral do único partido que não integra um projecto que se pretendia ainda mais amplo –, como que promovendo-a a adversário principal, possa fazer parecer outra coisa, a lista SANTA CLARA VIDA NOVA candidata-se apenas a uma Junta de Freguesia; a de Santa Clara!
Temos, de facto, uma situação singular. Um processo que privilegiando questões de cidadania foi capaz de mobilizar pessoas com diferentes opções políticas sob um, especial, denominador comum; o pensar e sentir Santa Clara muito para além dos interesses partidários – e até pessoais (Santa Clara merece-o) – que legitimamente possam representar.
É, como já foi escrito: “(…) uma lista de cidadãos eleitores independente dos partidos (mas que os tem de TODOS e também de NENHUM), dos quatro cantos da nova freguesia, livre de todos os compromissos prévios que não sejam os interesses de Santa Clara, totalmente disponível e aberta, com a autoridade que esta aglutinação de vontades lhe dá (…)”.
E, SANTA CLARA já iniciou VIDA NOVA. Desde logo, pela importância dada a quem, sem o aparato já tido como normal nestas ocasiões, vai fazendo passar a sua mensagem, conseguindo inclusive a mediatização dos graves problemas que desde há muito afectam Santa Clara, mas que, só agora – após clara e assumidamente apresentados em honesto programa eleitoral –, parecem ter sido descobertos.
Do próprio. In Açoriano Oriental/Crónicas do Aquém

sexta-feira, setembro 16, 2005

 

SANTA CLARA; em frente com VIDA NOVA


(click sobre a foto para a ampliar)
-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Antes tarde do que nunca; primeiro, com a criação da freguesia, agora também com os tanques da Bencom.
Em SANTA CLARA a VIDA NOVA já começou!
----------------------------------------------------------------------------

Um misto de satisfação e estranheza. Foi essa a sensação com que fiquei após ter lido o artigo da Dra. Berta Cabral da passada segunda-feira neste mesmo espaço. Satisfação porque constato nesse artigo a assunção pública por parte da actual Presidente da Câmara de um compromisso particular com o desenvolvimento desta (re)nova(da) freguesia, caso mantenha no futuro o seu mandato municipal. Estranheza porque, a não ser que a Dra. Berta Cabral tivesse a possibilidade de dedicar um artigo particular a cada uma das 24 freguesias do Concelho antes de 9 de Outubro (o que é materialmente impossível), não se compreende (e até pode induzir discriminação para outras) um tratamento opinativo público particular, para uma determinada freguesia, da parte de quem tem responsabilidades institucionais equitativas perante todo Concelho. E não se diga que é por ser nova, porque nessa situação há mais duas: Pilar da Bretanha e Ajuda da Bretanha. A não ser, o que então seria bizarro porque a Dra. Berta é candidata à Câmara e não à Assembleia de Freguesia de Santa Clara, que tenha sentido a necessidade de assumir pessoalmente a campanha eleitoral para esta freguesia, esquecendo as suas responsabilidades municipais e substituindo-se àqueles que efectivamente se candidatam a ela, o que, para além de uma intromissão de legitimidade duvidosa, demonstra alguma falta de confiança nas capacidades da lista para Santa Clara apresentada pelo seu próprio partido.
Não tenho dúvidas que pelo voto da Dra. Berta na Assembleia Legislativa Regional, pelo voto de quem ela nomeia no seu artigo: o Sr. Manuel Augusto Ramos, na Assembleia de Freguesia de S. José, o Dr. Manuel Arruda, na Câmara Municipal de Ponta Delgada, e pelo voto de outros, houve também gente do PSD em posições institucionais que apoiou a criação da Freguesia de Santa Clara. Mas já tenho sérias dúvidas, senão mesmo a certeza, de que alguma vez esta Freguesia viesse a ser criada pela iniciativa do PSD, dadas as divergências internas cristalizadas nesse Partido, que sempre a tolheram e bloquearam e, o que é mais grave, aconteceram enquanto o PSD liderava os órgãos autárquicos essenciais para a tomar com facilidade, transformando-se assim este partido na causa directa que fez perder a Santa Clara o direito que lhe assistia há muito de passar a freguesia. E daí, que em abono da verdade, me parece ter faltado lisura de espírito à Dra. Berta Cabral ao ignorar no seu artigo outras nomeações, fora da área do PSD, em particular os verdadeiros responsáveis pela efectiva e irrecusável (porque, como bem diz a Dra. Berta, correspondia às aspirações de todos os santa-clarenses) proposta da criação da freguesia na Assembleia Legislativa Regional. E esses que deram voz institucional sem hesitar às aspirações de todos os santa-clarenses foram o Grupo Parlamentar do PCP em 2001, e foi essa proposta que a Dra. Berta votou (tal como todos os deputados dos vários partidos) e que baixou depois, para parecer, à Assembleia de Freguesia de S. José e à Câmara Municipal de Ponta Delgada, onde sobre ela se pronunciaram os seus nomeados, mas onde, infelizmente, só apareceram reservas de vogais de um único partido: o PSD!
Daqui colhe a ideia de que foi preciso, muito antes de certas conversões de última hora, esquecer estreitezas partidárias para que Santa Clara adquirisse possibilidades de renascer dos muros que a foram excluindo, enclausurando e degradando ao longo dos anos sem que os responsáveis locais, agora tão lestos na defesa dos interesses da nova freguesia, dessem ouvidos àqueles (entre os quais gente afecta também ao PSD) que se afogavam em tanques de combustível, bombas de gasolina e degradação urbana e ambiental, e que lutavam por um futuro diferente daquele que lhes estava sendo destinado e aos seus filhos. Que, assumida como freguesia e tendo por base a indispensável conjugação de esforços e vontades plurais, neste pontapé de saída para uma vida nova, possa agora novamente ganhar a dignidade perdida e a qualidade de vida que tem sido negada aos seus. Tarefa a levar a cabo, neste primeiro mandato, pela mão de quem, seja deste ou daquele partido ou não seja de partido algum, não é de hoje, nem de ontem, mas desde sempre pela Freguesia de Santa Clara. E assim nasceu uma lista de cidadãos eleitores (sem vergonha de mostrar a cara) independente dos partidos (mas que os tem de todos e também de nenhum), dos quatro cantos da nova freguesia, livre de todos os compromissos prévios que não sejam os interesses de Santa Clara, totalmente disponível e aberta, com a autoridade que esta aglutinação de vontades lhe dá, para encetar com a futura Câmara e o Governo Regional o caminho que já tardava: Uma vida nova para Santa Clara com gente que, ao contrário do que propalou a Dra. Berta na sessão de apresentação da “sua” lista, já “descobriu” há muito o local onde nasceu e habita.
Já agora, Dra. Berta, parabéns por o seu partido finalmente (mais vale tarde do que nunca) tomar a iniciativa pública de reivindicar a transferência dos depósitos de combustível da Bencom. Não tenho dúvidas que essa reivindicação agora expressa foi desbloqueada e estimulada pela actual época eleitoral e pela existência da lista de cidadãos a que me refiro. O que muito nos honra (“nos” porque também dou a cara por ela), e é um primeiro sinal de que poderemos trabalhar bem em conjunto, se os eleitores nos decidirem atribuir as responsabilidades pelos destinos da nova freguesia. Apenas um esclarecimento mais, sobre este assunto: A resolução de 2002, aprovada pela Assembleia Legislativa Regional, de que se socorre o deputado Pedro Gomes do PSD para agora requerer a transferência dos depósitos de combustível, foi apresentada por José Decq Mota, então deputado do único partido (todos foram contactados, bem como a Câmara do Dr. Manuel Arruda) que deu seguimento a um abaixo-assinado com quase mil assinaturas promovido pela “Comissão de Protecção de Pessoas e Bens da Pedreira do Meio (Santa Clara)”, composta por gente também de vários partidos (PSD incluído), ou sem partido, e que, como é óbvio, também não foi só agora que “descobriu” Santa Clara nem os seus problemas. E como se vê, pelo anteriormente exposto, Santa Clara já está tendo Vida Nova…
in Jornal dos Açores, 13/09/05, Mário Abrantes

quinta-feira, setembro 15, 2005

 

DESCUBRA AS DIFERENÇAS

Os convites:


SANTA CLARA VIDA NOVA;

(click sobre a imagem para a ampliar)

A lista do partido, o único, que não quiz integrar um projecto comum neste primeiro mandato;

(click sobre a imagem para a ampliar)

Nota: É bom lembrar que se trata de eleições para uma Junta de Freguesia com cerca de 2400 eleitores.

terça-feira, setembro 13, 2005

 

Só o tempo passou

Logo quando, como se tem visto, nunca foi tão fácil fazer...


disto............................... isto!
Imagens roubadas ao GV (ampliam com um click)


A minha primeira “crónica do aquém” faz amanhã um ano! Foi assim:
“Até pouco antes de 1998, início da era da leviandade e da ilusão, tendo como termo de comparação os restantes clubes de futebol nos Açores, o CDSC tinha um nível de organização médio e era detentor de um património invejável – livre de ónus – em nítida fase de crescimento e valorização. O clube era já também, de modo sadio e dentro dos parâmetros da sua estrutura tradicional – é fundamental dizê-lo – líder no panorama futebolístico dos Açores!
No auge das facilidades, ao dinheiro que então parecia fácil e inesgotável, não deram aplicação de forma a potenciar crescimento sustentável e consolidado, acautelando assim o futuro do clube! Em vez disso, desbarataram sem pudor, gastando o que tinham e o que não tinham, satisfazendo oportunismos e clientelas, alimentando vaidades e vícios, tudo feito sem um mínimo de rigor e transparência, num sistemático rodopio de irregularidades, que persistem, sob a protecção de uma enorme teia de cumplicidades!
Não era necessário ser bruxo para adivinhar que tudo isso iria ser dramático para o “Santa Clara”; que a histeria (quase) colectiva um dia terá de ter fim; e que os vaidosos oportunistas, uns atrás dos outros – para proteger a retaguarda –, assobiando para o lado, tentarão sair de mansinho para não agitar muito as águas.
Impõe-se uma auditoria. Já! Quem não deve, não teme.”
Do próprio. In Açoriano Oriental/Crónicas do Aquém

terça-feira, setembro 06, 2005

 

Ser, não o parecendo


Jornal de Campanha. Nº zero
Páginas; 1
e 4


Jornal de Campanha. Nº Zero
Páginas; 2 e 3

(clickando sobre cada uma das páginas, amplia, permintindo a leitura)


Recentemente, cumprindo dedicada missão, o embolo principal da enorme “máquina promocional” da CMPD, com; “ (...) e decidiu colar-se movimentos de cidadãos, de feição multicolor, cujo único elemento agregador é estarem contra a gestão autárquica do PSD” (J.A.22Agt.), acabou indo além do desancar no adversário mais directo!
Outros, se assim o entenderem, façam a parte que lhe compete; só me interessa clarificar o que a SANTA CLARA VIDA NOVA diz respeito. Assim:
1. A feição “multicolor” da lista é tão abrangente que até inclui o próprio PSD. Mas não – é óbvio! –, aqueles que podendo ter antecipado, e até facilitado, o processo de criação da freguesia, só depois deste desígnio estar consumado – nalguns casos, nem mesmo assim – começaram a mostrar interesse pelo que antes nunca demonstraram desejar!
2. Ao invés da teoria do; “todos contra” – tão falsa quanto afirmação (Onda nº2) de que a CMPD SEMPRE apoiou de perto a criação da freguesia –, para SANTA CLARA VIDA NOVA o elemento agregador é o já muito antigo desejo de ver Santa Clara elevada a freguesia. Tanto assim é que há na lista – e tem sido objecto de esclarecimento em campanha – quem admita diferentes intenções de voto tratando-se da freguesia, ou da sede do concelho!
3. E mais; outros “tons laranja” se obteriam não fora a tardia tomada de posse de uma Comissão Administrativa composta “ao jeito” de quem só pensa na "sua cor"!
Do próprio. In Açoriano Oriental/Crónicas do Aquém

sábado, setembro 03, 2005

 

Santa Clara - Vida Nova IV


Fotos de Hugo Ferreira. Gentilmente cedidas pelo Jornal dos Açores
(click para ampliar as fotos)

Em jeito de resposta a um comentário da Lúcia:

Em grande plano, o "cabeça de lista"; Luís Cabral (Cabralinho).
E ainda:
A mesa com o orador convidado, João Carlos Macedo, no uso da palavra.
O mandatário, José Vieira Gomes, tal como o cabeça de lista, Luís Cabral, ambos muito atentos à autêntica lição de cidadania ali ministrada.

SANTA CLARA - VIDA NOVA .
VAMOS A ISTO!

sexta-feira, setembro 02, 2005

 

KATRINA


(clikc para ampliar as fotos)

Ultimamente, todos os dias entram nas nossas casas imagens da destruição que o "Katrina" provocou em Nova Orleães.

Pelo que se vê, foi uma enorme tragédia. Por curiosidade e para ficar a saber um pouco mais sobre este recente acontecimento, "andei" pela net, e, encontrei um "site" ( www.nola.com) que me deixou verdadeiramente chocado e admirado com as imagens ali publicadas. São situações bastante deprimentes, aflitivas. Disse que fiquei admirado! Pois! Fiquei admirado de como foi possível acontecer aquilo que todos podemos constatar no país que se diz ser o mais evoluído do Planeta?
Como não foi possível preverem o que poderia acontecer, devido às características quer do furacão, quer da cidade?
Não teria sido possível serem mais céleres e eficazes na evacuação daquela cidade?
Sei que não é fácil abandonar o que levamos toda a vida a construir, mas, acima de tudo, há que preservar a vida, principalmente de quem depende de nós!
Fica a ideia que num país capitalista como são os EUA, apenas interessa a imagem que se dá para o "Mundo Exterior", descurando o seu!
"SHOW OFF"
Destaque a um comentário ("bófia")

This page is powered by Blogger. Isn't yours?