domingo, junho 23, 2013

 

Os bidões da birra (2005/2013)

                                   "Clikando" sobre os recortes amplia a imagem e facilita a leitura

As campanhas eleitorais são sempre momento de promessas. De promessas e de mentiras, umas maiores que outras, todas facilmente esquecidas, a não ser que, tal como acontece em Santa Clara, o empenho e a cidadania sejam presença permanente e activa.
Em Setembro de 2005, um mês antes da eleição da 1ª Junta de Freguesia de Santa Clara, na inauguração da “Via Marginal Relva/Santa Clara” – que 8 anos depois continua sem chegar a Santa Clara! –, ninguém podia imaginar o tamanho das mentiras ali proferidas. Aliás, tratando-se de uma contenda opondo “David” a “Golias”, quer as mentiras quer o “enorme palco” dispensado para promover quem a então presidente da Câmara desejava fosse presidente de Junta em Santa Clara, para alargar a já quase hegemonia nas freguesias do Concelho, não faziam sentido. Mas tudo valeu e uma das mentiras foi esta: Estou certa que com a requalificação que defendemos e iremos desenvolver desde a Rotunda de Santa Clara até ao início desta via, (…)”, o que logo seguido de:  Esperemos agora que o Governo possa também cumprir a promessa de requalificação da Avenida Príncipe do Mónaco, desafio que o passar do tempo mostra ser cada vez mais ridículo,  ajuda a perceber as birras que se seguiram e mantêm!
A promessa não cumprida, quando se tornou oportuno, logo ressurgiria. Exemplifica-o esta passagem de mais um discurso, já em pré campanha para Outubro de 2009: Na verdade a requalificação de Santa Clara foi um compromisso eleitoral (…). (…) está também em marcha o concurso público para a 2ª fase da “Via Litoral Santa Clara/Relva”, com correcção e pavimentação do troço “Igreja/Nordela” e construção do talude de reforço da arriba situada na Rua Baden Powell. Atravessando a 2ª Rua esta grande intervenção prevê a requalificação do pavimento e dos passeios, com melhor iluminação pública, maior ajardinamento e mais estacionamento.
Muita conversa mas nada de obra! As “birras”, estas sim, é que aumentaram na proporção directa ao incremento da diferença de votos que distanciou “Santa Clara – Vida Nova”; “o David de Loeste”, do PSD; “o Golias a mirrar de Ponta Delgada”. Birras que, não obstante o protagonista agora ser outro, continuam. 
É pena! Ou talvez não!?

A.O. 22/06/2013; “Cá à minha moda" (revisto e acrescentado) 

sábado, junho 08, 2013

 

6 de Junho: O insistir na “velha narrativa”


Foto cedida por "História dos Açores"         

Vi ontem, 6 de Junho (escrevo na sexta), o trabalho que a RTP/A emitiu a propósito (teria sido?) da efeméride.
Gostei de pouco, de coisas muito específicas, algumas das quais me parecem ter sido editadas pela 1ª vez (eu, pelo menos vi-as pela 1ª vez). Gostei também de um ou outro depoimento que “põe a nu” alguns ditos tabus e conivências que já se suspeitavam existir. Não gostei do geral, da forma, sempre a mesma, como encadeiam “a narrativa”, realçando algumas vítimas mas não considerando outras, quando até há casos em que se tratou de responder à agressão!
Houve comportamentos contra revolucionários? Claro que sim. Tal como não faltaram oportunismos e oportunistas! Mas não se podem (nem devem) esquecer os excessos ultra revolucionários, as vítimas que fizeram, a energia explosiva que desencadearam! Há (e estão por aí) agressores que estiveram ao serviço dos dois lados: inicialmente bateram nos “fascistas”, boicotaram sessões de esclarecimento, para pouco depois, quando a “maré mudou”, os mesmos passarem a agredir, escorraçar e vandalizar bens daqueles que militavam nas fileiras dos que antes os incentivaram!
Aqui em Ponta Delgada (foi sobretudo do que se passou por cá que o trabalho tratou) muito antes dos assaltos às sedes dos partidos de esquerda (PCP, MDP/CDE e até PS) aconteceu o assalto à sede “dos fascistas” do MAPA: como se fosse fascizante defender uma causa ainda mais antiga do que a implantação da República, o próprio fascismo e até o Estado Novo!
Mas vamos ao que gostei: gostei de reouvir o momento em que Altino de Magalhães claudicou perante os gritos de Independência. Gostei de reouvir o tão espontâneo quanto ensurdecedor clamor de Independência que se lhe seguiu. Gostei também de ver confirmado (o que já se sabia e é desculpa para algumas atitudes anticomunistas mais primárias) como o PCP de então, mesmo aqui nos Açores, controlava alguns sectores do Exército Português, queira isso significar o que quer que seja. Tal como gostei de, mais uma vez, ver demonstrada a falsa espontaneidade da contra manifestação ao “6 de Junho”, obviamente aproveitada para Altino de Magalhães “se reabilitar”, destroçado que ficara com o correctivo aplicado por Borges Coutinho, honra se faça – concordando ou não com o seu pensamento –, Homem coerente e corajoso!

A.O. 08/06/2013; “Cá à minha moda" (revisto e acrescentado) 

This page is powered by Blogger. Isn't yours?