sábado, março 29, 2014

 

Sair “de gatas”


Já farta a troca de galhardetes que por ai anda: “saída limpa” vs “saída cautelar”. Este tema cansa, aborrece, satura, além do mais porque todos já percebemos que a haver uma qualquer saída, seja ela qual for – e quando for –, tenderá sempre ser uma “saída rasteira”, “de gatas”, se não “de rastos”!
Eles – não nós, Eles – gastaram “à farta”: betonando auto-estradas a eito (actualmente “às moscas”); construindo estádios a esmo (alguns agora com pouco ou nenhum uso e já em degradação, por falta de manutenção); criando bancos para se servirem, a si e aos seus cúmplices e amigos (negociatas onde Eles ontem ganharam para hoje pagarmos nós), enfim, distribuindo entre si um manancial de fundos europeus, dinheiro que agora nos obrigam – a nós, não a Eles – a pagar. Eles gastaram “à bruta”, mas dizem que fomos nós “quem viveu acima das nossas posses”. Dizem isso, pregando e impondo austeridade, uma “austeridade redentora”, que nos redimirá, dizem Eles, pois Eles, ao que parece, não carecem de redenção!
É sempre assim com gente que nunca se engana. Gente que raramente têm dúvidas! Não se enganaram antes (presunção e água benta…) e cegamente continuam sem ter dúvidas. Não duvidam que “a salvação” está na austeridade, no empobrecimento, nos salários baixos (já a menos de 50% da média europeia)! Outros foram (e vão) avisando que sendo a austeridade necessária, esta austeridade massiva, radical, excessiva, não trará solução. Mas Eles dizem que não! Que querem mais. Insistem! E fazem-no não obstante os recentes dados do INE confirmarem como estão errados. Indicadores da pobreza e das desigualdades sociais que reabilitam cenários do “Salazarismo”, arquétipos que até a Marcelo Caetano – bem mais sensível a estas desigualdades do que as marionetas que a mando dos gurus do “Capitalismo Cientifico” actualmente governam Portugal – incomodou, levando-o a iniciar a sua correcção.
O drama é que, queiramos ou não – sou dos que não quer – dependemos deste país mal governado, vergado, esmagado, um esmagamento que o leva a esmagar-nos mais ainda, não fossemos nós, Açores e Madeira, as suas últimas colónias!
Temos de sair desta subjugação: quanto mais cedo melhor. Limpinho.

A.O. 29/03/2014; “Cá à minha moda" (revisto e acrescentado, incluindo o título) 
http://www.acorianooriental.pt/artigo/sair-de-gatas



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?