domingo, julho 24, 2005

 

CONTRIBUTOS II; Vulto

(click para aumentar; sobretudo a tela, apesar de desprovida de outra intenção que não a de "afogar o peixe", merece-o)
À esquerda; uma divagação do próprio Hermano.
À direita; a capa da minha primeira edição de "o barco e o sonho", uma soberba ilustração de Tomaz Borba Vieira para o primeiro livro de Manuel Ferreira, excelente colectânea de contos entre os quais destaco "o alevanto da isca". Este livro, entre outras preciosidades, incluíu também uma série de, tão singelas quanto belas, vinhetas da autoria de um outro amigo, neste caso, infelizmente, há muito fora do nosso convívio; o Zé Manel Cabral. José Manuel de Medeiros Cabral. Medeiros Cabral no universo dos artistas!

Recebido, sem pedido de publicação ("amanha-te". Sabias o risco que corrias!), do meu amigo - e camarada de muitas lutas, mas não coicidentes com a do Luís Silva Melo - Hermano Botelho de Almeida. Ele, como mais ninguém, entederá o que me "passa pela cabeça" quando me atrevo a ilustrar este seu poema da forma como o fiz :

VULTO

O som, o indivíduo
perdido, achado no labirinto.
Sem tempo, com gosto
desgosto na vida errante.
Arvore de braços estendidos
cercado, mar e ilha.
Silêncio, argúras e solidão.
Vou, fico, descanso, parto
que universo grande busco
na tertúlia do momento.
vinho, magnólia e tília.
Que fantasmas me cercam
no movimento do ser
quero, sou, medo, coragem.
O mundo lá fora
ergue-se como Adamastor bravio
mais do que eu
sou força dum povo
que busca a coesão
identidade, sonho e razão.

HAlmeida*

*Açoriano, emigrado em Portugal vai para 40 anos, a quem, em consequência de velhas e intermináveis discussões, para o “chatear”, (quase) sempre lhe chamo de português.
Vou já rever a minha posição!



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?