domingo, novembro 10, 2013

 

Regressar a Santa Clara

                               
"Clikando" sobre cada uma das imagens é possível a visualização ampliada das mesmas.

A ida era sempre mais apressada. Volvida a esquina do Carvão logo se deparava com a rectilínea Rua de Lisboa, ou Formosa, já que este nome em tempos também tivera e assim ainda era conhecida. Moderna, pavimentada, com generosos passeios, ponteados por modestos mas bonitos e eficazes candeeiros, muito fluída para a época (desde que se não estivesse em época de laboração da Fábrica do Açúcar), num triz chegávamos ao Largo 2 de Março: à cidade, que segundo a gíria só ali começava.
O regresso fazia-se com outra pausa. Por baixo, mais junto ao mar, pela “Santa Clara velha”, calcorreando um sinuoso percurso, antiquíssimo: com mais de quinhentos anos. Percorrendo-o, mesmo que inconscientemente trilhava-se História, que, ora mais remota ora mais coeva, se sentia presente a cada passo dado numa via então maioritariamente de terra batida.
Era dupla a esquina de referência na volta: a do Hospital e a da não menos memorável farmácia a ele anexa! O Castelo de S. Brás não passava despercebido, porém, sendo verdade que quer um quer outro fossem “paredes meias” com a arcaica Rua de Santa Clara – mais tarde dividida em Rua Teófilo Braga e Primeira Rua de Santa Clara (esta última com indecisões de identidade que ainda hoje persistem e se testemunham na esquina da Rua José Bensaúde e numa das esquinas “do Calço”) –, dada a majestade de ambas aquelas construções ninguém se atrevia a negar ainda “estar na cidade”. A bem dizer, Santa Clara só começava após “a canada da doca” (actual Av. Kopke). Além do cheiro a maresia, a presença de muitos marítimos e outros trabalhadores do porto, tal como operários e mestres das diversas artes requeridas pela antiga “Junta Autónoma do Porto” ajudavam a definir “a fronteira”. Mas as marcas do percurso – sobretudo as retidas pela saudade e alguma nostalgia de quem percorreu aquele caminho a meados do século XX – só se tornavam nítidas depois de ultrapassada a Rua da Vila Nova de Baixo (actual João Francisco Cabral). E começavam já ali, dependendo da hora, com a azáfama originada pelo “Barracão de Peixe”. Mas logo continuava: a Loja do Sr. Tapia e a sua discreta idiossincrasia; a Barbearia do Sr. Silva, com a muita banda desenhada e as várias colecções de cromos que lá se vendiam; a torrefacção dos Bettencourt e o seu característico aroma a farinha de milho torrado. E continuava do outro lado da rua: a Pastelaria do Sr. Lopes (na casa onde nascera Teófilo Braga, S.E.&O.), os seus bolos de arroz e bolachas de limão; a entrada para o “Estradinho”, antiga “porta para o mar de Ponta Delgada”, acesso para o recinto de banhos onde um sem número de pessoas "daquelas bandas" aprenderam a nadar (com minúsculas piscinas, uma poça entre pedras com grossas correntes a servir de módulo de segurança, e já no mar, o “poceirão” ao lado do qual se esperavam as ondas para fazer “carreiras”); a Geladaria Esquimó com seus sorvetes e sumos; e, quase no fim do percurso, a “Loja do Sr. Manuel Pedro”, as “pimentas” (doce de açúcar envolto num palito de cana) e os gelados caseiros de cacau ou baunilha, cujos sabores a memória ainda retém.
Passado “o Calço” lá estava de novo a Rua do Carvão, com o fim da viagem logo ali.

A.O. 09/11/2013; “Cá à minha moda" (revisto e muito acrescentado) 



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?